Pular para o conteúdo

Homem mata ex após ser solto devido agressão e juiz diz “não ter bola de cristal”

Compartilhe:

O Juiz Aragonê Nunes Fernades alegou “não ter bola de cristal” na nova audiência de custódia de Vinícius Rodrigues de Sousa, após o assassinato de Tauane Morais. O juiz concedeu liberdade ao suspeito na audiência de custódia após ser preso no último domingo (3), quando agrediu e tentou enforcar a Tauane, com quem Vinicius tem dois filhos que presenciaram as agressões.

O juiz em sua primeira audiência liberou o suspeito e entendeu que o a medida protetiva concedida pela Justiça para a vítima seria suficiente para garantir sua segurança.

Vinicius foi até a casa de sua ex e a assassinou a facadas, ele tentou se matar, mas foi socorrido e internado no Hospital Regional de Taguatinga (HRT).

O caso voltou para o mesmo juiz que o liberou na primeira vez, que estipulou prisão preventiva por tempo ilimitado ao réu. O juiz alegou que na primeira audiência o liberou o réu que resultou na morte de Tauane que “infelizmente, todos os dias recebe um grande número de autuados envolvidos em crimes relacionados à Lei Maria da Penha”. Após a morte mesmo com a medida protetiva, reconheceu que foi insuficiênte: “Ao contrário! Mesmo ciente da impossibilidade de procurar a vítima, ele retornou à residência e retirou a vida dela, tentando ainda suicídio.”

De acordo com a Polícia Civil, a vitima alegou que sofria agressões do suspeito, mas que nunca o denunciou: “Ela dizia que ele era muito ciumento, que vinha a agredindo a algum tempo, mas nunca falou nada. Foi aí que decidiu terminar o relacionamento.”  conta o delegado que investiga o caso, Eduardo Galvão. Ele também informou que foi oferecido proteção na Casa de Abrigo a mulher e aos filhos, mas que ela recusou.