Pular para o conteúdo

Homem recebe mais de 200 mordidas de serpentes venenosas

Compartilhe:

Tim Friede, de 39 anos, que se intitula como cientista amador, já recebeu mais de 200 mordidas de serpentes venenosas, inclusive de uma das mais mortais do mundo, a mamba negra.

A mamba negra é a serpente mais venenosa no continente africano. E Tim Friede, morador de Fond Du La (Wisconsin, EUA), se deixou ser picado por quatro vezes por ela.

Uma das picadas foi registrada num vídeo (abaixo), nele a mamba negra também acaba mordendo o dedo de Tim.

 

O motivo dessa loucura

O cientista amador Tim Friede conta que há 17 anos que ele vem se imunizando com picadas de mais de 200 serpentes venenosas, tudo isso na esperança de conseguir desenvolver um soro antiofídico que ajude a diminuir as mortes por picadas de serpentes.

Mesmo que o que Tim venha fazendo pareça loucura, ele conta com o apoio de uma parcela de cientistas.

O Dr. Brian Hanley, microbiologista da Universidade da Califórnia, ficou interessado no método que Tim vem fazendo uso e em sua ideia.

Hanley é o fundador da Butterfly Sciences, uma empresa especializada em terapia genética e hiperimunidade. O microbiologista acredita que sua empresa poderia ajudar Tim a desenvolver vacinas e também a encontrar investidores que apoiem e ajudam a expandir essa ideia.

O Dr. Brian Hanley disse: “Tim tem altos níveis de anticorpos contra venenos. Eu não confirmei isso, mas o único conjunto de testes que fizemos sugere que seus níveis totais de anticorpos são pelo menos o dobro do normal. Não é fácil fazer isso”.

A mamba negra é uma das serpentes venenosas mais perigosas do mundo, seu veneno é letal, apenas duas gostas são o suficiente para levar a vítima a morte em cerca de 15 minutos. Ela é a cobra terrestre mais rápida do mundo.

As serpentes contém em seu veneno toxinas que podem parar o sistema nervoso, causando a paralisia dos músculos que são essenciais para respirar. Essa paralisia pode demorar algumas horas ou pode ser imediata, momentos antes da morte da vítima, caso ela não seja trata com soro antiofídico.

A jornada do cientista amador Tim em busca do soro polivalente para picadas de serpentes venenosas resultou em consequências na sua vida pessoal, pois em 2016 sua esposa, com a qual ele era casado há mais de 20 anos, pediu o divórcio.

Tim Friede disse que espera que a dor das picadas que levou nesses 17 anos possa valer a pena para conseguir desenvolver um soro antiofídico que ajude a diminuir as mortes causadas por mordidas de serpentes venenosas em todo o mundo.