Pular para o conteúdo

The Cloverfield Paradox é o patinho feio da franquia de J.J. Abrams

Compartilhe:

A Netflix liberou logo após ao Super Bowl o filme The Cloverfield Paradox em sua plataforma de streaming, o terceiro da franquia Cloverfield que mostra o início, antes dos monstros chegarem a Terra.

Em uma ação conjunta entre países para tentar resolver a crise energética mundial,  um grupo de cientistas é enviado para o espaço para trabalhar com um reator de partículas. Durante uma das tentativas de para fazer o reator funcionar, a nave “viaja” para uma realidade alternativa, começando assim uma tentativa para corrigir a situação.

Embora o filme tenha muitos easter eggs (detalhes que conectam o filme aos demais da franquia), o que seria uma oportunidade de trabalhar com ficção cientifica acaba como um filme fraco e desnecessário: os personagens não tem entrosamento, a história é sem sentido e com desfechos previsíveis.

A personagem principal, Hamilton, que tem uma história que seria ótima para abordar, é fraca e sem graça, sendo difícil gerar empatia por ela. Os demais personagens também não tem uma história interessante, nem mesmo após a viagem para um tempo alternativo. A nave passa a atacar a tripulação e não há explicação. Além do elenco da nave, o filme mostra situação do planeta através do marido de Hamilton que, após a invasão dos monstros, resgata uma criança perdida e se tranca num abrigo, o que também não é interessante.

Talvez, o grande problema do filme é que, originalmente, ele não foi escrito como continuação da franquia: A  Bad Robot  junto com a Paramount usou o filme God Particle para lançar o terceiro da franquia Cloverfield, adaptando a história para se encaixar. Depois a Netflix comprou o direito de distribuição do filme.

A franquia, que trabalha com realidades alternativas, em The Cloverfield Paradox não consegue explicar seu multiverso e não deixa claro que, por conta do reator, as diversas realidades alternativas se fundiram, criando mudanças em mundos paralelos, tudo que fazem é mostrar uma entrevista de um cientista na Terra falando que isso podia acontecer enquanto a equipe trabalhava na estação no começo do filme.

Resta esperar que o próximo filme da franquia, “Overlord”, consiga recuperar a boa fama que Cloverfield conseguiu em seus dois primeiros filmes.